Jornada anti-carcerária de apoio ao coletivo Vozes de Dentro


Click here to display content from Facebook.
Learn more in Facebook’s privacy policy.

5 de Novembro na SMUP-Parede
Jornada anti-carcerária de apoio ao coletivo Vozes de Dentro.


Às 18h apresentação do coletivo e conversa sobre a situação das prisões em Portugal e das lutas em curso.

A partir das 21h música com:
Quista (Anarco Queer Quê)
Puçanga (Voz e Placas Tectónicas)
MJ Souljah & Mean (Reggae/ Rap)
Nex Supremo e OFG (RAP)
Sr. Dubong (Dub Reggae)


Vozes de Dentro é um grupo de presas, presos e pessoas que acompanham e participam, de diferentes formas, nas lutas das pessoas reclusas e das suas famílias cujas vozes são permanentemente silenciadas por um sistema carcerário torturador e assassino.
As pessoas privadas de liberdade e especialmente as pobres, racializadas, mulheres, transgéneros e crianças enfrentam condições desumanas, violência física e psicológica nas prisões.
Em particular, Portugal é dos países europeus onde mais morrem reclusas e reclusos e as prisões portuguesas têm sido por diversas vezes alvo de críticas do Conselho da Europa, nomeadamente do Comité Contra a Tortura. Conjuntamente, encontra-se entre os países da Europa onde se condena mais a penas de prisão, por períodos mais longos e onde a sobrelotação é uma realidade.
A maioria dos estabelecimentos prisionais caracterizam-se por graves problemas nas infraestruturas, péssima alimentação, falta de acesso a bens e produtos essenciais.
Os cuidados de saúde são também precários e deficitários, com a maioria de profissionais de saúde subcontratada. A atividade laboral remunerada é parca e traduz-se, maioritariamente, na exploração e as ofertas formativas são poucas.  Tudo isto, aliado à baixa aplicação de medidas de flexibilização de penas, ao inexistente apoio para a reinserção social, ao isolamento social a que ficam sujeitas as pessoas presas com severas limitações de contato com as suas famílias e comunidades.
As mortes a 15 de setembro de 2021 de Danijoy Pontes e Daniel Rodrigues no Estabelecimento prisional de Lisboa, voltaram a evidenciar a violência do sistema prisional português que não só condena as pessoas à privação de liberdade como também à morte. Estas mortes desencadearam a revolta das mães dos dois jovens, mas até hoje continua o silêncio de todas as instituições responsáveis.
O objetivo do coletivo Vozes de Dentro é de visibilizar a realidade obscurecida das prisões e pensar coletivamente possíveis ações de apoio para quem está dentro.
A nossa paixão pela liberdade é mais forte que as todas as grades!

vozesdedentro@riseup.net

site: https://vozesdedentro.noblogs.org

, ,